julho 06, 2010

Saber perder

Saber perder

Ultimamente esta tem sido uma expressão muito utilizada, e nos tempos próximos – devido ao Mundial – será algo presente em muitas conversas. No contexto do desporto, da competição, torna-se muito simples identificar o momento da derrota e quando nada mais há a fazer para a evitar. Contudo, na vida o árbitro parece nunca dar por terminada a partida e sentimos haver sempre hipótese de dar a volta ao resultado. Será que é assim mesmo? Eu conheço muitos que acenam com a bandeira branca ainda com o jogo a meio….

Durante muitos anos, fui jogador federado de basquetebol e posso afirmar que foi a minha maior escola de vida graças ao permanente espírito competitivo que era gerado. Tive a sorte de pertencer a uma geração de vencedores, que comungavam da mesma atitude guerreira. Talvez seja essa a razão que me leva a nunca ter aprendido a perder. Enquanto capitão de equipa que sempre fui, sabia adoptar um comportamento digno de um desportista e sempre respeitei todos os elementos envolvidos no jogo. Mas, essa máscara que adoptava não servia para apaziguar o fogo de emoções que me consumia ora pela culpa assumida, ora pela impotência em atingir o resultado desejado. Quando em desportos individuais, ou em situações em que a vitória apenas dependia de mim, era incontornável deixar transbordar as emoções e reclamava, insultava…tudo resultado da frustração que sentia e da dificuldade em aceitar que nada podia fazer. Percebia, no entanto, ser algo dirigido a mim. Talvez ainda hoje seja um pouco assim.

Sempre procurei contrariar essa minha reacção, e no desporto colectivo conseguia fazê-lo, mas nunca aprendi a perder. Isso fez-me pensar… Seja qual for a actividade, seja qual for a tarefa a realizar, nós aceitamos que há uma fase de aprendizagem na qual os erros são parte integrante do processo de crescimento e de adaptação. É o que mais rapidamente desenvolve no indivíduo a iniciativa a realizar melhor. Logo, temos que repetir, repetir até ficar bem feito. Com a derrota será o mesmo? Teremos que perder e perder até sabermos fazê-lo? Se sim, então não será barco onde quero entrar.

É precisamente a aceitação da derrota que nos leva a viver a nossa vida atribuindo culpas aos outros e adiando assumir a responsabilidade de mudarmos as coisas que não estão de acordo com os princípios de vitória que queremos alcançar. É a razão para muitos deixarem o jogo a meio.

“Guerreiros vitoriosos garantem primeiro a vitória e depois vão para a guerra, enquanto os guerreiros derrotados vão para a guerra e depois procuram a vitória” Sun Tzu

Sem comentários:

Enviar um comentário