janeiro 28, 2010

Propaganda à Rasputin


Propaganda à Rasputin

Há uns dias atrás, escutei na rádio uma música que me trouxe à lembrança a história de Rasputin. Grigori Rasputin foi uma figura influente do período czarista da Rússia durante o período pré- I guerra mundial. Ele alcançou este posto de destaque por salvar a vida do filho do Czar, conotando-se dali por diante como um “mensageiro de Deus”, dadas as suas aptidões curativas. O destaque que conquistou fez com que fosse vítima de inúmeras tentativas de assassinato, envenenamento, fuzilado com onze tiros, espancado, quase afogado e acabou por morrer de frio. Apesar da grande influência que conquistou a todos os níveis, inclusive político, a reputação que o mantém até hoje bem vivo nas memórias de muitos, é a de ter sido um amante invulgar dotado de um órgão sexual com proporções descomunais.

A fama conquistada por Rasputin levou a que a própria mulher do Czar condenasse quem atentasse contra a vida deste místico. Onde quer que fosse as mulheres tornavam-se as suas maiores aliadas, na expectativa de se tornarem suas amantes, revelavam segredos e garantiam-lhe abrigo. A vida desta personagem única, e em particular os relatos sobre esta singularidade que ele possuía, tornaram-se a fonte de inspiração para a propaganda política dos dias de hoje.

Propaganda é um modo específico de se apresentar uma informação, com o objectivo de servir a uma agenda, de atingir um propósito. Mesmo que a notícia seja verdadeira, esta é manipulada de modo a beneficiar quem a veicula, ou sujeito a quem é referida. Tal como qualquer campanha eleitoral. Olham-se os problemas vigentes numa sociedade, esclarece-se os eleitores a respeito de quem concebe as possíveis soluções, com o único intuito de alcançar um lugar de poder, e não necessariamente para levar a cabo a aplicação das resoluções idealizadas. Até aqui…tudo bem. Afinal, todos fazem o mesmo e talvez nunca venha a mudar. O grave da situação é quando a propaganda se estende para além das eleições e abrange os membros do governo, que mantêm um discurso minimalista e de propaganda, querendo apenas demonstrar um lado enternecido de compreensão para com os problemas que existem, sem nunca aplicarem qualquer decisão que os solucione.

Mas, se na campanha o objectivo da propaganda é fazerem com que sejam eleitos, depois de eleitos qual será o propósito por trás da propaganda?

“Muitas vezes, pouca coisa foi feita grande pelo tipo certo de propaganda” Mark Twain

“A propaganda é um factor económico valioso porque ela é a forma mais barata de venda de bens, especialmente se os produtos são inúteis.” Sinclair Lewis

Sem comentários:

Enviar um comentário