setembro 25, 2009

Os Pequenos Poderes


Os pequenos poderes

Todos reconhecemos na sociedade actual, a necessidade de outorgar pequenos poderes. Mesmo vivendo numa sociedade democrática, a nomeação de indivíduos capazes de tomar decisões e manter determinada ordem sob as regras estipuladas é fundamental para o bom funcionamento de qualquer estrutura. A atribuição de pequenos poderes garante uma velocidade de execução maior, a qualquer mecanismo desenvolvido, independentemente do propósito associado. É impensável sugerir que numa empresa multinacional, com inúmeras sucursais, todas as decisões respeitantes a um qualquer núcleo, tivessem que passar pela administração central. Assim, desde sempre, foram criados postos de gestão e decisão intermédios, que possuíam poder sobre um determinado grupo, tendo que por seu turno prestar contas sobre o seu trabalho a alguém colocado acima dele.

Esta pirâmide de perspectiva empresarial está espelhada em toda a nossa sociedade, desde o segurança de discotecas que barra a entrada sem razão aparente, até aos directores de departamentos que chumbam projectos sem justificação, até aos ministros que gozam de privilégios especiais mesmo quando não em exercício da sua profissão. Quantas vezes o pequeno com um uniforme o exibiu produzindo interdições; o pequeno com um título o ostentou criando dificuldades; o pequeno com uma função a exerceu inventando obstáculos?! São os pequenos que se ambicionam grandes, se não pelo poder de que dispõem para realizar, então pelo que mobilizam para impedir, complicar, estorvar. É a pequena artimanha que os torna importantes perante si próprios e notados pelos outros.

Mas, será que esta ambição desmedida é a única razão para tamanha prepotência? Será que é o receio de perder esse poder que faz com que as pessoas inventem obstáculos para outras? Talvez a resposta apenas fosse encontrada na análise caso a caso, mas importa que todos que se encontram nesta posição saibam sempre ver quem é o beneficiário da decisão ou atitude que tomam. A partir dessa pesquisa, encontrar a via que pudesse ter como resposta o número mais alto de indivíduos, ainda que por vezes não inclua o próprio.

Todo o poder que não se assume como responsabilidade degenera em tirania.

“Quase todos os homens podem suportar a adversidade, mas se você quiser testar o carácter de um homem, dá-lhe poder.” Abraham Lincoln

Sem comentários:

Enviar um comentário